Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cockpit Automóvel - Conteúdos Auto




Segunda-feira, 04.10.10

ENSAIO: Dacia Duster 1.5 dCi/110cv (4x2)


Dacia? Um SUV de uma marca romena? E se lhe disser que este carro partilha a mesma mecânica do Nissan Qashqai? Talvez comece a vê-lo com outros olhos. Na verdade, Dacia Duster e Nissan Qashqai utilizam, nas suas versões mais procuradas, o mesmo motor diesel de origem Renault. No primeiro caso uma versão com 110 cv, enquanto o carro japonês se contém nos 106. Mas difere em tudo o resto. O Qashqai aposta na irreverência das linhas e no conceito, ajudado, em muito, por um marketing elaborado. Cuida ainda dos detalhes, enquanto no Duster impera a simplicidade prática, imposta por uma contenção de custos de fabrico e por uma necessidade de uma manutenção fácil e acessível. E de que modo exigir melhores materiais ou pormenores mais cuidados, num carro cujo preço de entrada fica abaixo do de alguns utilitários?

Essencialmente prático

Exteriormente tem uma estética que não fere mas que também não faz destacar qualquer pormenor emotivo. Na realidade também não destoa pela negativa; um traço limpo com cavas das rodas expressivas tenta fazer realçar um jogo de cores entre a da carroçaria e os estribos, as protecções do chassis ou os suportes do tejadilho.
Interiormente é mais clara a poupança. O Duster recorre a soluções encontradas nos restantes Dacia (nomeadamente o Logan, de onde deriva a plataforma), partes do tablier e comandos provenientes de modelos anteriores da Renault. O resultado não é desagradável mas resulta algo "demodé", nomeadamente com a colocação, no centro do tablier, dos comandos de abertura dos vidros eléctricos.
Mas, como já se afirmou, por um preço que no caso da versão a gasolina começa pouco acima dos 16 mil euros, não se pode exigir muito mais. De uma forma geral, os plásticos apresentam a robustez desejada para um carro com estas características, embora os pormenores decorativos não acompanhem a tendência. O que deixa adivinhar que, com tempo e uso, possam advir daí ruídos parasitas.
O aproveitamento e a poupança implicaram igualmente que no interior do Duster não abundem espaços para pequenos objectos. Até mesmo os que existem no forro interior das portas dianteiras são mais estreitos do que o desejável e os da consola central e entre os bancos revelam-se pouco seguros. Igualmente a cobertura da bagageira (com capacidade que varia entre os 475 litros e os 1636 litros) se mostra pouco prática de usar (ver foto). Embora, consoante o uso que se fizer da mala, nomeadamente com cargas de formato irregular, o facto de ser uma mera cobertura, sem retracção e apoiada por encaixes, poder vir a revelar-se mais útil do que o esperado.

Surpreendentemente capaz

Ao cabo e ao resto, pelos cerca de 21 mil euros que esta versão diesel custa (uma outra, com o mesmo motor mas 85 cv fica um pouco acima dos 18 mil euros), é possível aceder a um pequeno SUV que mostra uma inesperada robustez e capacidade quando o desencaminhamos para maus caminhos.
Embora não se deva exigir mais do que a altura (20 cm) e a configuração do Duster lhe possibilitam, a desenvoltura do motor nos baixos regimes e uma suspensão tão equilibrada quanto eficaz na capacidade de torção do conjunto, permitem-lhe superar, sem demonstrar grande esforço, alguns pequenos obstáculos. E, sobretudo, trilhar vários quilómetros de piso irregular sem penalizar em demasia o corpo dos ocupantes.
Não há qualquer ajuda à condução fora de estrada embora apresente ângulos excelentes para a prática de TT: 30º de ataque, 36º de saída e 23º ventral.
Já a versão com tracção total automática recorre a soluções de tracção utilizadas no Nissan Murano. Com as dimensões e a boa capacidade de manobra que o o Duster apresenta é de prever um bom desempenho fora de estrada. (ler AQUI o ensaio a esta versão)
Equipado com um motor que tem dado provas de economia, ainda assim surpreendem os 5,8 litros de média registada no final do ensaio. A caixa manual de seis velocidades permitiu escalonar as duas últimas de forma mais longa, para fins mais estradistas.
Isso torna-se mais patente quando o Dacia Duster tem de enfrenta lombas mais pronunciadas, altura em que o peso, que até nem é muito, e a maior resistência ao vento (Cx de 0,42), impõem a necessidade de reduzir. Por falar nisso, o Dacia Duster não é o mais silencioso dos SUV: em velocidade nota-se a acção do vento e há alturas em que o trabalhar mecânico se impõe no habitáculo.

PREÇO, desde 21000 euros
MOTOR, 1461 cc, 110 cv às 4000 r.p.m., 240 Nm às 2000, turbo de geometria variável, 8 válvulas, injecção common rail
CONSUMOS, 6,4/4,9/5,3 l (cidade/estrada/misto)
EMISSÕES POLUENTES, 139 g/km de CO2

Autoria e outros dados (tags, etc)



Procura carro novo, usado ou acessórios?


Pesquisar neste site

Pesquisar no Blog  


Quem somos...

"COCKPIT automóvel" é um meio de comunicação dirigido ao grande público, que tem como actividade principal a realização de ensaios a veículos de diferentes marcas e a divulgação de notícias sobre novos modelos ou versões. Continuamente actualizado e sem rigidez periódica, aborda temática relacionada com o automóvel ou com as novas tecnologias, numa linguagem simples, informativa e incutida de espírito de rigor e isenção.
"COCKPIT automóvel" é fonte noticiosa para variadas publicações em papel ou em formato digital. Contudo, a utilização, total ou parcial, dos textos e das imagens que aqui se encontram está condicionada a autorização escrita e todos os direitos do seu uso estão reservados ao editor de "Cockpit Automóvel, conteúdos automóveis". A formalização do pedido de cedência de conteúdo deve ser efectuado através do email cockpit@cockpitautomovel.com ou através do formulário existente na página de contactos. Salvo casos devidamente autorizados, é sempre obrigatória a indicação da autoria e fonte das notícias com a assinatura "Rogério Lopes/cockpitautomovel.com". (VER +)