Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cockpit Automóvel - Conteúdos Auto




Terça-feira, 25.09.12

ENSAIO: Seat Exeo 2.0 TDi Ecomotive/120 CV

Toda e qualquer semelhança entre um Exeo e um Audi NÃO é mera coincidência. A berlina familiar topo de gama da marca espanhola é uma reinterpretação moderna de uma versão anterior do Audi A4. Em relação ao modelo que lhe deu origem, a Seat actualizou a estética frontal com os elementos de identificação da marca espanhola e aquilo que primeiro se oferece aos olhos do condutor: tablier, comandos e instrumentos de condução. Conservando as boas características do modelo original – robustez de construção e qualidade dos materiais –, foi-lhe acrescentado algum equipamento entretanto disponibilizado no interior do grupo, nomeadamente de segurança ou de ajudas à condução. Lançado comercialmente em finais de 2008, o Exeo beneficiou recentemente de uma remodelação. Aquilo que justifica este ensaio é a disponibilidade da versão “Ecomotive” que, na Seat, representa credenciais ambientais em matéria de consumo e emissões.

A Seat Exeo declina-se numa carroçaria de 4 portas e numa versão carrinha com 442 litros de mala.
Para motorizá-lo recebe motores 1.8 e 2.0 a gasolina e ainda o conhecido 2.0 TDI com 120, 143 ou 173 cv. Este motor diesel beneficia de injecção common rail, que é mais precisa e económica do que o bloco 1.9 TDI, com bomba injectora, que durante tantos anos serviu o grupo VW. É ainda mais silencioso e menos poluente. Entre as duas variantes “Ecomotive” - 120 cv ou 143 cv – a diferença está numa diferente gestão electrónica e na pressão do turbo.
Tem preços que começam em torno dos 29 mil euros (1.8 TSI), o que o torna uma alternativa interessante para quem procura um familiar com qualidade germânica ou uma proposta claramente adaptada a fins executivos.
Ver NESTE texto de apresentação das versões “Ecomotive” informações mais detalhadas sobre preços, características e equipamento do Exeo.

Uma boa genética como herança

O facto do conceito do Exeo ser datado no tempo acaba por influenciar o aproveitamento do espaço interior face às dimensões do exterior. No Seat, face ao Audi, foram alcançados alguns ganhos com uma configuração nova dos bancos e com o seu posicionamento, traduzindo-se isto em mais espaço para as pernas dos ocupantes traseiros.
A mala, bem forrada e esquadrada, beneficia da existência de amortecedores na respectiva tampa, em vez das intrusivas dobradiças em arco. A capacidade anunciada para a berlina é superior à da carrinha: 460 litros.
Apesar da qualidade inegável dos materiais e de acabamentos bastante refinados – e da actualização em termos de design face ao A4 (por exemplo, “herdou” o tablier do A4 Cabrio e não o das versões capotadas, o que o torna mais moderno, nomeadamente ao nível das saídas de ventilação), o habitáculo não desperta qualquer emoção em particular. Embora isto não impeça a sua funcionalidade ou da capacidade encontrada para proporcionar espaços adicionais, úteis para guardar moedas ou pequenos objectos.
O modelo ensaiado dispunha ainda de aplicações em tom madeira no tablier, uma opção de decoração de gosto duvidoso.

Posição de condução inspirada

De novo, a proveniência inspira a posição de condução do Exeo. Ao volante, o condutor pode sentir uma atitude mais desportiva e bem próxima do chão, apesar dos ajustes em altura dos bancos dianteiros auxiliarem a visibilidade para quem tenha menos estatura ou prefira uma postura mais elevada.
O habitáculo é confortável e revela boa insonorização em andamento (ao ralenti é mais perceptível o ruído do motor), os bancos apresentam boa compleição e oferecem apoio em viagem. Outra “herança” é o painel de comandos do sistema de ar condicionado. Se permanece a funcionalidade intuitiva do seu funcionamento, a posição rebaixada, a imagem e a iluminação dos comandos e das instruções condicionam – e muito – toda a elegância do painel. Dependendo do nível de equipamento – Reference, Style ou Sport – outros pormenores também podem condicionar essa impressão.
Por exemplo, só a partir do segundo nível é que surge o volante e o punho das mudanças em pele, bem como algumas aplicações de elegância. Apesar do nível “Reference” até ser particularmente dotado de equipamento de conforto e segurança.

Atitude e desempenho económicos

Recorrendo à conhecida unidade 2.0 TDI - que praticamente serve todos os carros do grupo VW -, a adição da função Start/Stop, em conjunto com outras alterações mecânicas, introduziram melhorias no consumo: a média é de 4,5 litros e as emissões variam entre os 117 e os 119 g./Km, caso se trate da berlina (CR) ou da carrinha (ST).
Por via disto, o Exeo 2.0 TDI "Ecomotive" com 120 cv tem preços em torno dos 31 mil ou dos 32 mil euros, “4 portas” ou “ST” respectivamente. Ou seja, cerca de 1000 euros a menos do que a versão que não dispõe destas características.
Nas versões “Ecomotive” com 143 cv estes valores crescem cerca de 3000 euros. Mas há igualmente que contar com mais equipamento.
Ver NESTE texto de apresentação das versões “Ecomotive” informações mais detalhadas sobre preços, características e equipamento do Exeo.
O ensaio realizado ao modelo com 120 cv revelou um conjunto dócil e que não disfarça a sua maior preocupação: a economia de consumos e as baixas emissões. Apesar disso o comportamento é bastante agradável, com alguns rasgos de boa dinâmica que, contudo, não chegam para entusiasmar.
Os trunfos da versão testada estão na direcção e na atitude suave da caixa de velocidades, capazes de atenuar a pouca agilidade que esta versão do motor demonstra e cujos ímpetos estão, em parte, “castrados”.
Esta menor agressividade veio permitir uma suspensão mais macia, resultando daqui um maior conforto para os ocupantes. Com isto não se comprometeu a segurança e foi reforçado o estatuto de estradista do Exeo. A média do ensaio registada no computador de bordo da viatura oscilou entre os 5,4 e os 5,8 litros, valores bastante satisfatórios para o peso e configuração do Exeo.
Familiar ou executivo, o Exeo tem a defendê-lo a projecção do Grupo VW do qual a Seat faz parte.

Dados mais importantes
Preços desde30832 euros (Ecomotive)
Motores1968 cc, 16 V, 120 cv às 4000 rpm, 290 Nm das 1750 às 2500 rpm, common rail, turbo, geometria variável
Prestações204 km/h, 10,5 seg. (0/100 km/h)
Consumos (médio/estrada/cidade)4,5 / 3,8 / 5,6 litros
Emissões Poluentes (CO2)117 gr/km

Procura automóvel novo, usado ou acessórios? Quer saber mais sobre este ou sobre outro veículo?

Autoria e outros dados (tags, etc)



Procura carro novo, usado ou acessórios?


Pesquisar neste site

Pesquisar no Blog  


Quem somos...

"COCKPIT automóvel" é um meio de comunicação dirigido ao grande público, que tem como actividade principal a realização de ensaios a veículos de diferentes marcas e a divulgação de notícias sobre novos modelos ou versões. Continuamente actualizado e sem rigidez periódica, aborda temática relacionada com o automóvel ou com as novas tecnologias, numa linguagem simples, informativa e incutida de espírito de rigor e isenção.
"COCKPIT automóvel" é fonte noticiosa para variadas publicações em papel ou em formato digital. Contudo, a utilização, total ou parcial, dos textos e das imagens que aqui se encontram está condicionada a autorização escrita e todos os direitos do seu uso estão reservados ao editor de "Cockpit Automóvel, conteúdos automóveis". A formalização do pedido de cedência de conteúdo deve ser efectuado através do email cockpit@cockpitautomovel.com ou através do formulário existente na página de contactos. Salvo casos devidamente autorizados, é sempre obrigatória a indicação da autoria e fonte das notícias com a assinatura "Rogério Lopes/cockpitautomovel.com". (VER +)