Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cockpit Automóvel - Conteúdos Auto


Sexta-feira, 25.01.13

ANÁLISE: Balanço das vendas e da produção automóvel em Portugal e na Europa. Uma crise à escala do Euro


Desde o início de 2012 que se sabia (ou previa) que as vendas de automóveis em Portugal iriam descer bastante. Contudo, nem mesmo os cenários mais pessimistas previam uma queda tão acentuada como aquela que se registou. Com um mercado dimensionado para vendas anuais em redor das 200 mil unidades, esse valor ficou pela metade. Com as consequências que facilmente se adivinham: concessões a fechar ou a ter que redimensionar o negócio, reduzindo espaço e postos de trabalho; importadores obrigados a fazerem contas diariamente para sobreviverem, para não perderem capacidade negocial com os fabricantes ou para não verem os escritórios deslocalizados para Espanha, por exemplo. No meio de todo este cenário negativo ressaltam suspeitas e acusações concretas de vendas "fictícias", com reexportações de forma a produzir volume de vendas. E até o próprio Estado, cujo orçamento anual depende em grande parte do automóvel, foi obrigado a refazer as suas previsões de receita. Mas quem pensar que esta crise é apenas portuguesa, ou circunscrita a 3 ou 4 países europeus em dificuldades, desengane-se: o mercado europeu regrediu mais de década e meia. Nem a poderosa Alemanha escapou e praticamente todos os países da zona do Euro registaram quedas. De entre os países europeus mais fortes, só o Reino Unido cresceu face ao ano anterior. (PROSSEGUIR PARA A ANÁLISE E BALANÇO DAS VENDAS E DA PRODUÇÃO AUTOMÓVEL EM PORTUGAL E NA EUROPA)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Segunda-feira, 10.12.12

Mercado automóvel em Portugal parece recuperar mas continua a cair

Apesar de uma ligeira recuperação face ao primeiro semestre do ano, as vendas de automóveis ligeiros de passageiros continuam com valores francamente negativos face ao ano anterior. No topo, Renault e VW quase dividem a liderança, com uma diferença de poucas centenas de unidades. O VW Golf foi o responsável pelo facto da marca alemã ter sido a que mais vendeu em Portugal durante o mês de Novembro, mas os franceses contam, este mês, com o novo Clio para reforçar a liderança antes do ano terminar. Nesta categoria, apenas sete marcas já venderam mais de cinco mil carros este ano e, curiosamente, três são construtores premium - BMW, Audi e Mercedes -, sendo que, destas, a Audi foi a que menos perdeu face ao ano anterior: menos 8,3 por cento das vendas. Para encontrar uma variação positiva torna-se necessário descer até ao 27.º lugar da grelha, cabendo essa honra à Lancia que, até Novembro de 2012, vendeu mais 8 carros face a igual período do ano anterior. Há casos dramáticos no "ranking" das vendas, confira já a seguir quais são na respectiva tabela dos primeiros 11 meses de 2012. (PROSSEGUIR PARA A NOTÍCIA COMPLETA SOBRE O MERCADO AUTOMÓVEL EM PORTUGAL)

Procura automóvel novo, usado ou acessórios? Quer saber mais sobre este ou sobre outro veículo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 14.09.12

Mercado automóvel em Portugal acentua queda em Agosto

Não adianta voltar a falar das razões que fizeram prosseguir a queda das vendas de veículos ligeiros em Portugal no mês de Agosto, agravando os números que se vêem acumulando desde o início de 2012. Apesar do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho ter apontado uma razão (estapafúrdia) para o facto: os portugueses estão a guardar o dinheiro que (não) têm, em vez de comprar carros novos! Dessa forma, quem não comprou carro novo, entregando praticamente metade desse valor em impostos para o Estado, é que é o responsável pelo actual estado das contas públicas portuguesas. Só faltou acrescentar “e quem não andou mais, para gastar mais em combustível”. Brilhante, sim senhor! Confira ainda quem são as marcas que mais vendem em Portugal.


Toda a gente sabe e um economista tem razões para conhecer melhor, o enorme peso que o mercado automóvel português tem nas contas do Estado.
Se acrescentarmos os dinheiros provenientes de impostos das empresas e dos trabalhadores do sector (incluindo fabricantes ou o retalho de peças e acessórios) e dos combustíveis, quase que se pode afirmar que ele é responsável por quase 50% do PIB português.
Segundo dados da ACAP, em Agosto de 2012 o mercado de automóveis ligeiros de passageiros registou uma nova queda que se situou em 33,1% por cento. E os (apenas) 5.443 veículos comercializados mais não fizeram do que acentuar a queda registada, desde o inicio do ano face ao mesmo período de 2011, da ordem dos 40,4%...
Em termos acumulados, no período acumulado de Janeiro a Agosto de 2012, as vendas de automóveis ligeiros de passageiros situaram-se nas 68.103 unidades.
Em termos de impostos, isso representa uma diminuição de 45,1% do Imposto Sobre Veículos (ISV), até Julho de 2012, além de colocar sérias dificuldades às empesas do sector que, naturalmente, irão traduzir-se em mais falências e mais desemprego. Com custos agravados daí resultantes.
Eis a tabela dos números distribuídos por marcas:


Procura automóvel novo, usado ou acessórios? Quer saber mais sobre este ou sobre outro veículo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 04.07.12

ANÁLISE: Meio ano de mercado automóvel em Portugal

Como afirmou Paulo Portas, Ministro dos Negócios Estrangeiros, "a boa notícia é que metade deste ano já passou". É que este promete (continuar a) ser um "annus horribilis" para os importadores nacionais de automóveis e, por mais que surjam novos modelos ou versões e que se criem campanhas agressivas  para cativar o consumidor, as vendas teimam em não descolar do vermelho. Mesmo assim, o mês de Junho atenuou a queda generalizada das vendas automóveis em Portugal e foi o melhor mês do ano, com 10805 unidades comercializadas. Contudo, continua a registar-se um decréscimo acentuado do comércio de viaturas ligeiras de passageiros e o valor das vendas representa o pior mês de Junho desde 1988, ano em que o mercado foi liberalizado. Confira a seguir os valores totais e a posição que cada uma das marcas ocupa na tabela elaborada pela ACAP.
Por tradição, Junho é o melhor ou um dos melhores meses do ano para o sector automóvel. Este ano não fugiu à regra, mas as 10805 viaturas comercializadas representaram um decréscimo de 37 por cento face a idêntico período do ano passado.
No total, de Janeiro a Junho deste ano, o total acumulado de automóveis ligeiros de passageiros comercializados foi de 53406, enquanto, em 2011, já tinham sido vendidos 91293 unidades. Percentualmente isso representa um saldo negativo de 41,9 %.
Embora a quantidade não seja tão expressiva, o cenário é bastante pior no que toca ao segmento dos comerciais ligeiros e das viaturas pesadas, onde essa queda representa valores negativos da ordem dos 55% e 47,3% respectivamente. O que indicia, claramente, dificuldades de renovação de frotas por parte das empresas.
São valores que contribuem negativamente para a recolha de receitas da parte do Estado. No início de Junho, a ACAP – Associação Automóvel em Portugal – alertou para o facto de a receita de ISV (Imposto Sobre Veículos), respeitante ao período de Janeiro a Abril, não ter ido além de 135 milhões de euros. Uma diminuição de 40% face aos 259,7 milhões obtidos no período homólogo de 2011, além da consequente quebra do IVA.
“A esta realidade vamos agora adicionar os cerca de 5.200 empregos perdidos no sector automóvel e que irão engrossar as listas dos subsídios de desemprego a pagar pelo Estado”, salienta o mesmo comunicado da ACAP.

Análise às vendas por marca

Quando olhamos para a tabela das marcas mais vendidas em Portugal, ressalta o quarto lugar da BMW com 600 unidades em Junho e um total de 3369 desde o início do ano. Apesar de, em parte, justificado pelo facto da gama da marca alemã dispor de modelos mais acessíveis à bolsa do consumidor, a verdade é que esse número ultrapassa construtores generalistas e bem implantados em Portugal como é o caso da Opel, Ford, Fiat ou Citroën.
Por outro lado, e ainda que se possam apontar as mesmas razões da BMW, a Audi ocupa uma surpreendente sexta posição.
De facto, ao contabilizarmos as vendas totais do semestre, o grupo de marcas representado em Portugal pela SIVA permitiu a este grupo reforçar a sua quota de mercado. Além dos bons valores da Audi, a VW é mesmo a segunda marca mais vendida em Portugal, enquanto a Skoda ocupa a 17.º posição, à frente de marcas com mais tradição no nosso mercado. Esta tendência acompanha as vendas europeias, já que o grupo VW (neste caso com a Seat integrada) ocupa a posição cimeira à frente do grupo PSA e da Renault.
Regressando ao mercado doméstico, apesar de uma queda das vendas de 42,7% (acompanhando a tendência generalizada do mercado), as 5999 unidades comercializadas pela Renault permitem-lhe destacar-se na primeira posição. São também de realçar as 491 unidades comercializadas pela Dacia.
Na tabela destaca-se ainda a subida percentualmente expressiva da Land Rover, facto que se deve à boa aceitação do modelo Evoque tem tido.
Resultado de uma aposta comercial bem direccionada, a Peugeot ocupa o terceiro lugar das vendas, apesar de uma queda de 40,5 % desde o início do ano.
Apesar da forte valorização da moeda japonesa, o Iene, três grandes construtores do país do sol nascente conseguem prestações interessantes em face da realidade do mercado: Toyota, Nissan e Honda. A isso não é alheia a circunstância de qualquer delas dispor de fábricas na Europa, por isso menos sujeitas à flutuação cambial. Com excepção da Nissan, as outras duas conseguiram mesmo aumentar a quota de mercado no nosso País.
Quanto aos dois gigantes coreanos, a Kia voltou a superar a Hyundai. Isto apesar da geração mais recente do modelo “de combate” da Kia, o Ceed, não ter ainda iniciado a sua comercialização em Portugal. Mais uma vez, uma aposta comercial forte, que passou, por exemplo, pela geração actual do Ceed, permitiu à Kia vender 1165 automóveis desde o início do ano.

Procura automóvel novo, usado ou acessórios? Quer saber mais sobre este ou sobre outro veículo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 13.06.12

ANÁLISE: Mercado automóvel português vai de “mal a pior” e a caminho do “salve-se quem puder”

Pelo 5.º mês consecutivo, este ano, as vendas de automóveis em Portugal foram inferiores aos valores homólogos do ano anterior. Apesar de no mês de Maio ter existido um ligeiro aumento das vendas face a Abril, da ordem das 2200 unidades, os valores continuam a preocupar o sector e irão, certamente, implicar o fecho de mais concessionários. Mas o reflexo desta crise que se abate sobre todo o sector automóvel promete não ficar por aqui: não só não se vende como não se faz a manutenção periódica, deixa-se de ir à inspecção periódica e poupa-se em tudo, mesmo que, por causa de isso, se coloque em risco a segurança ou o ambiente.
Nem mesmo os piores cenários traçados pelos importadores nacionais mais pessimistas apontavam para uma queda global, decorridos os primeiros cinco meses do ano, de 43 por cento das vendas de automóveis ligeiros em Portugal.
Como se referiu no início, Maio trouxe uma ligeira desaceleração nessa descida, explicada, segundo a ACAP – Associação do Comércio Automóvel em Portugal –, pelo facto de se tratar de um período geralmente escolhido pelas empresas de aluguer de viaturas para procederem à renovação das suas frotas.
Poderá ainda existir uma outra razão: algumas marcas e concessionários esgotaram os stocks de veículos registados no ano anterior, modelos que beneficiaram de regimes fiscais mais favoráveis.

O luxo vende mais

Face ao rumo actual da economia portuguesa não existem perspectivas de melhorar este cenário negro. Nuvens escuras acumulam-se no horizonte e muitos concessionários vão sobrevivendo graças ao comércio de viaturas usadas, sejam elas provenientes de retomas ou resultado do incumprimento dos contractos de venda.
Uma realidade diferente parece estar a ser vivida por marcas consideradas “de luxo”: BMW, Audi e Mercedes estão entre as oito mais vendidas em Portugal, mas é de realçar que qualquer destes construtores dispõe de uma gama mais generalista do que ocorria há alguns anos atrás.

Razões mais do que conhecidas

Os motivos para isto estar a acontecer são por demais conhecidos: diminuição do poder de compra das famílias – realce para os funcionários públicos que perderam os subsídios que geralmente utilizavam para a “entrada” -, dificuldade da concessão de crédito a particulares e empresas e até uma retracção própria do impulso de aquisição, algo que habitualmente acontece nas alturas de incerteza quanto ao futuro económico.
Isto apesar de alguns modelos estarem, efectivamente, mais baratos do que há um, dois ou mais anos. Desesperadas campanhas de marketing dos importadores propõem vantagens comerciais directas, em equipamento ou em combustível de milhares de euros na aquisição de determinados modelos.
Nem mesmo assim. É que as financeiras, a braços com processos judiciais por incumprimento de contractos, às vezes com os carros imobilizados e a desvalorizarem enquanto se arrastam os processos de falências, estão mais cautelosas na concessão de novos créditos. E este está também mais caro, com taxas de juro habitualmente com dois dígitos.

Consequências para o futuro


Uma questão mais grave se levanta, no imediato: a sobrevivência das empresas. Apesar de alguns concessionários terem-se transformado em representantes multimarca ou terem alargado a área de negócio a outros serviços, apostando, por exemplo, na venda de usados, todos os dias fecham empresas e cresce o número de desempregados no sector.

O Estado arrecada, por isso, menos receitas provenientes dos impostos directos da venda de veículos novos e a redução do número de carros a circular implica também uma diminuição da quantidade de combustível vendida.
Logicamente isso também produz reflexos nos impostos.
A médio e a longo prazo podem descortinar-se outras preocupações: aumento da poluição gerada pelo aumento da circulação de automóveis com oito ou mais anos, pela mesma razão e não só, crescimento da sinistralidade. É que, com o acréscimo de viaturas antigas a circular, aumenta também o número das que deixam de reunir condições de segurança.

Quem paga é o ambiente!


Por mais optimista que se queira estar, quem todos os dias contacta directamente com o sector, percebe que Portugal se encaminha para um cenário terceiro-mundista.

Um grande concessionário da margem sul confidenciava-me, recentemente, que cada vez são menos os carros que recorrem às oficinas das marcas que representa, apesar dos preços tabelados de alguns serviços estarem próximos dos praticados em oficinas multimarca. Só que, segundo esse concessionário, alguns dos seus colaboradores oficinais estavam a encaminhar os clientes para os seus próprios negócios paralelos de reparação e manutenção, sem qualquer controlo fiscal, laboral, higiénico ou ambiental.
Esta é, afinal, uma realidade conhecida de todos e facilmente explicável: preços mais baixos (até porque livres de impostos) dos serviços e peças mais baratas (por não serem “de marca”, ou porque, pura e simplesmente, se trata de material usado ou desviadas do armazém).
Tudo isto exercido sem os seguros obrigatórios por lei, controlo médico ou laboral, factores que encarecem o factor trabalho de qualquer empresa.
Por outro lado, as exigências ambientais com a recolha de resíduos ou a reciclagem são igualmente menores - ou mesmo existentes - nos chamados biscateiros. Este é outro aspecto a que são obrigadas as oficinas licenciadas, para o qual são canalizados recursos económicos.

Inspecções pouco rigorosas e o “faça-você-mesmo”

Contudo, algo de mais preocupante parece estar a passar-se com as inspecções periódicas obrigatórias: não só estão a ir cada vez menos carros às inspecções – continuando, contudo, a circular -, como aumenta o número de funcionários que se propõem a “facilitar” a vistoria do veículo em troca de determinado montante.
Importa ainda alertar para uma outra realidade: face à crise e aos preços praticados por alguns hipermercados (ainda há bem pouco tempo foi possível, num deles, comprar 5 litros de óleo Galp 10W40 por menos de 12 euros…), alguns proprietários estão a realizar, eles próprios, algumas tarefas de manutenção. Que destino terá sido dado ao óleo usado e respectivo filtro e em que condições a operação terá sido realizada?
Para não falar nos pneus com a borracha velha e ressequida, comprados usados e supostamente ainda com bom piso. Mas isso é outra história.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexta-feira, 03.02.12

Vendas automóveis em Portugal descem abruptamente

Como era de prever no actual contexto de crise económica, o sector automóvel começou a sofrer fortemente com as medidas de contenção a que muitos particulares e empresas foram sujeitos nos últimos meses. Em Janeiro foram vendidos apenas 9065 automóveis ligeiros de passageiros e comerciais ligeiros, o que representa uma forte redução de 42,2% face às vendas registadas em igual período do ano passado. É o valor mais baixo de venda de veículos em Portugal dos últimos 25 anos! O sector entrou em “estado de alerta” e, para sobreviver, necessita urgentemente de medidas de incentivo ao consumo.

Janeiro é, por tradição, um mês ingrato para as vendas automóveis em Portugal. Isto sucede porque o final de cada ano é tipicamente uma altura forte das vendas, devido ao facto de muitas marcas criarem fortes apelos ao consumo ou matriculam viaturas não vendidas para “fechar o ano” com quota de mercado. Os próprios consumidores, aproveitando o abono extra ou evitando os tradicionais agravamentos fiscais a cada novo ano que desponta, escolhem a altura para trocar de carro. E até as empresas, pelos mesmos motivos fiscais, decidem a renovação das suas frotas nos últimos meses do ano.
Por isso, ao analisar as vendas nos últimos anos, reparamos facilmente em padrões: picos em Março (renovação de frotas devido ao fecho do ano fiscal de algumas empresas), Junho, Novembro e Dezembro, umas vezes ainda por causa da renovação de frotas, outras porque coincidem com a altura em que muitos consumidores particulares recebem os tradicionais subsídios de férias e de Natal.
Uma realidade que, como se sabe, tende a mudar. Agravada ainda pelo elevado número de funcionários públicos em Portugal.

2011, ano negro para o sector

Olhando para os números de 2011, e comparativamente às vendas do ano anterior, verifica-se facilmente que elas foram sempre claramente inferiores. E se o cenário em meados do ano já era complicado, mais se agravou no final do ano apesar de uma ligeira mas insuficiente recuperação das vendas.
O ano de 2011 fechou com cerca de 188 mil viaturas ligeiras vendidas em Portugal (passageiros mais comerciais), o que representou uma queda de 30 por cento face às 269 mil comercializadas em 2010.
Apesar do ano de 2010 ter tido razões de incentivo à compra: a previsão de um claro agravamento fiscal e o fim do incentivo governamental ao abate.

Peugeot lidera

Neste contexto altamente desfavorável, a Peugeot foi a marca que mais vendeu em Portugal, com 838 veículos de passageiros e comerciais ligeiros comercializados. E apesar das quebras alinharem com as médias gerais do sector (- 42,6% face ao período homólogo), este resultado representou uma quota de mercado de mais de nove por cento entre as 35 marcas analisadas.
Olhando para este mesmo quadro verifica-se o terceiro lugar da Citroën, o que é um claro indício da boa aceitação que os produtos do grupo francês PSA está a ter. A também francesa Renault é no “10 mais” a marca mais castigada, ao descer de 1759 unidades vendidas em Janeiro de 2011 para 676 registadas no primeiro mês deste ano. Esse resultado coloca em quarto lugar das vendas a marca que liderou o mercado português em 2011 (ver AQUI).
Mas no “Top 10” das marcas que mais venderam em Portugal em Janeiro de 2012 é possível encontrar ainda outros factores de interesse: o ainda assim interessante sétimo lugar da Toyota e as boas vendas de duas marcas de prestígio: Mercedes e BMW que encerram a contagem das 10 marcas mais vendidas.
Já ao longo da restante lista é possível encontrar outros factores de interesse, relevando, contudo, apenas o facto de em Janeiro deste ano se terem vendido em Portugal 18 Jaguar, 16 Porsche e… 2 Ferrari.

Vendas europeias também descem

O fenómeno da redução das vendas de veículos novos não é um problema português. No cômputo geral, a Europa registou em 2011 uma diminuição ligeira inferior a 2 por cento, mas em alguns mercados, como o espanhol, essa contracção foi superior a 17 por cento. Itália teve uma redução acima dos 10 por cento, Inglaterra de 4,4 por cento e apenas a Alemanha registou uma subida de 8,8 por cento. Foi naturalmente o mercado que absorveu maior número de carros novos (3.173.634 veículos ligeiros de passageiros vendidos), seguido por França (2.251.669 unidades) e do Reino Unido com 2.030.846 viaturas comercializadas.
Como no início se afirmou, ao longo de 2011 foram vendidos em Portugal 188.321 veículos ligeiros de passageiros ou comerciais.

Tabela comparativa das viaturas vendidas em Portugal em Janeiro 2012:

Procura automóvel novo, usado ou acessórios? Quer saber mais sobre este ou sobre outro veículo?

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar neste site

Pesquisar no Blog  

Quem somos...

"COCKPIT automóvel" é um meio de comunicação dirigido ao grande público, que tem como actividade principal a realização de ensaios a veículos de diferentes marcas e a divulgação de notícias sobre novos modelos ou versões. Continuamente actualizado e sem rigidez periódica, aborda temática relacionada com o automóvel ou com as novas tecnologias, numa linguagem simples, informativa e incutida de espírito de rigor e isenção.
"COCKPIT automóvel" é fonte noticiosa para variadas publicações em papel ou em formato digital. Contudo, a utilização, total ou parcial, dos textos e das imagens que aqui se encontram está condicionada a autorização escrita e todos os direitos do seu uso estão reservados ao editor de "Cockpit Automóvel, conteúdos automóveis". A formalização do pedido de cedência de conteúdo deve ser efectuado através do email cockpit@cockpitautomovel.com ou através do formulário existente na página de contactos. Salvo casos devidamente autorizados, é sempre obrigatória a indicação da autoria e fonte das notícias com a assinatura "Rogério Lopes/cockpitautomovel.com". (VER +)