Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cockpit Automóvel - Conteúdos Auto


Quarta-feira, 25.01.12

Renault, marca automóvel mais vendida em Portugal, oferece garantia total de 5 anos ou 150 000 Kms

A Renault é das marcas europeias que mais tem evoluído na questão da fiabilidade dos automóveis que produz, conforme comprovam vários estudos independentes de organizações europeias que colocam os seus modelos mais recentes no topo da qualidade e fiabilidade dos respectivos segmentos. Confiante no nível de qualidade que conseguiu atingir, desde 1 de Janeiro de 2012 a Renault passou a aplicar uma garantia total de 5 anos ou 150.000 km para todos os modelos de passageiros ou comerciais ligeiros à venda em Portugal. Alarga-se assim o período até aqui em vigor que, desde 2007, era de 3 anos ou igual número de quilómetros.
A questão da garantia automóvel tem sido um dos principais argumentos dos novos fabricantes automóveis que disputam o mercado europeu com as grandes construtoras do Velho Continente. Primeiro os japoneses, depois os coreanos, utilizam a oferta de garantias mais alargadas do que o mínimo de 2 anos exigível pelas leis europeias, para demonstrar a confiança e qualidade dos seus produtos.
Procuram desse modo cativar e tranquilizar o cliente e, simultaneamente, tentam também manter o comprador nos serviços da marca através das habituais revisões programadas, condição essencial para a manutenção das condições dessa garantia.

Marca de confiança

No caso da Renault, inquéritos independentes realizados por reputadas empresas ou institutos como a ADAC ou a JD Power, que avaliam mercados tão exigentes como o alemão, classificam a generalidade dos mais recentes modelos da Renault como “bons” ou “excelentes”.
Outro indicador, extremamente relevante, do nível de qualidade e fiabilidade atingido pelos automóveis Renault, é o das despesas de garantia. Ora desde 2008 que, a nível mundial, a Renault tem registado anualmente diminuições da ordem dos 15 por cento nesse tipo de gastos.

Líder em Portugal

Em grande parte por causa de tudo isto, a Renault é consecutivamente nos últimos anos, a marca preferida pelos portugueses. Com uma quota de mercado de 12 por cento (passageiros + comerciais ligeiros), a que correspondem cerca de 22.600 automóveis vendidos, a Renault liderou, em 2011, e pelo 14º ano consecutivo, o mercado automóvel em Portugal.
A este valor pode ainda juntar-se o excelente resultado comercial da marca “low-cost” do fabricante francês, a Dacia. A marca romena quase duplicou a sua quota de mercado, passando a fazer parte do lote das 20 marcas mais vendidas em Portugal.
Este resultado ganha maior relevância porque 2011 registou uma quebra significativa das vendas em Portugal. Com uma contracção de 31,3% no mercado de veículos de passageiros e de 23,6% nos veículos comerciais ligeiros, os 188.300 automóveis vendidos fizeram de 2011 o pior ano para o sector desde a liberalização do mercado em 1988.

Mégane recordista

Com grande parte do sucesso da Renault em Portugal assente nas vendas da terceira geração do Mégane, mais uma vez (e sempre desde o seu lançamento em 2009), esta foi a gama mais vendida em Portugal. O Clio, no seu 6º ano pleno de comercialização, foi o 3.º mais vendido no nosso país.
Para a Renault, 2011 ficará ainda marcado pela concretização do seu compromisso com a mobilidade “zero emissões”, materializada com a apresentação dos primeiros 2 modelos totalmente movidos a energia eléctrica: o Fluence Z.E. e o Kangoo Z.E.

Procura automóvel novo, usado ou acessórios? Quer saber mais sobre este ou sobre outro veículo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Segunda-feira, 27.09.10

ENSAIO: Renault Mégane Coupé RS 2.0T/250cv

Há carros que vão muito para além da razão. Cuja opção de compra só pode ser motivada por uma questão de impulso ou paixão. Quando falamos em 250 cavalos e quase o mesmo valor de velocidade máxima, é licito perguntar para que serve tudo isto num País onde o limite da velocidade máxima, em auto-estrada, são 120 km/h. Mas isso é em Portugal. E até mesmo em Portugal, ainda que não seja para desfrutar em pleno das suas potencialidades, o Mégane RS não deixa de ser um objecto desejável. Nesse caso a racionalidade não entra em linha de conta.

Paixão

Não é preciso muito para nos apaixonarmos. A estética exterior impõe-no, numa simplicidade agressiva de linhas, suspensão rebaixada e pneus de baixo perfil, destinados a assegurar um centro de gravidade rasteiro como se deseja num desportivo.
Que se deseja e que requer um carro desenvolvido para trilhar com rapidez e precisão curvas encadeadas, indiferente que parece às condições de aderência da estrada que “pisa” e capaz de manter a confiança, mesmo quando, quase sem darmos por isso, entramos largamente em território proibido por lei.
A boa capacidade de travagem permite o refrear rápido dos ânimos. Apesar de que a precisão da direcção, uma boa posição de condução (por mais 2370 euros o “pack Super Sport” garante-o ainda mais com umas belíssimas “bacquets” Recaro revestidas em couro) e o suave ronronar do motor parecerem pedir mais…

Razão

Desfrute-se então o que existe para além da capacidade atlética. Afinal, por quase 40 mil euros (isto em Portugal, porque em Espanha há que tirar quase 10 mil!), pode (e deve-se) desejar mais. Por exemplo, uma sólida qualidade de construção, já que a suspensão mais firme, em confronto com a qualidade “exemplar” de muitas das nossas estradas, vai exigir muito da sua estrutura.
Porque em matéria de conforto ninguém espera encontrar o de um familiar, as referidas “bacquets” asseguram-no para os lugares da frente. Atrás há que nos contentarmos com o que resta de espaço, que não é realmente muito (principalmente em altura) para dois ocupantes.
Mas nem tudo é “à grande” neste carro. Compacto, oferece boa capacidade de manobra, até porque os bancos, com função elevatória, facilitam a visibilidade. Menos a traseira, cuja exiguidade do respectivo vidro não permite muito. E tanta generosidade de alma não impede uma média de consumos na ordem dos 8,5 litros.
Dados do construtor…

PREÇO, desde 37 500 euros

MOTOR, 1998 cc, 250 cv às 5500 r.p.m., 16 V, 340 Nm às 3000 rpm, Turbo de geometria variável, intercooler

CONSUMOS, 11,5/6,7/8,4 l (cidade/estrada/misto)

EMISSÕES CO2, 195 g/km


O Amarelo da Renault Sport

O Renault Mégane RS (de Renault Sport) reúne de facto um conjunto único de características que o tornam num dos carros mais interessantes que conduzi nos últimos tempos.
Para começar, apesar de ser um puro desportivo próximo da versão de competição, é um carro que oferece uma condução bastante acessível e até cómoda, face ao que a suspensão obriga.
As bacquets, que constituem um extra, são um “must” que qualquer condutor mais exigente não dispensa num modelo com tais predicados. Para além dos bancos (incluindo os traseiros), as alterações interiores contemplam pormenores estéticos, volante específico e pedais em alumínio; não há nenhum indicador da pressão do turbo, por exemplo, embora o conta quilómetros tenha passado a ser analógico (em vez de digital), o conta rotações num agressivo fundo amarelo e exista a possibilidade de instalar sistema de telemetria no lugar do painel GPS. Há até um indicador que aconselha a troca da mudança, para assegurar melhores consumos, mas também para ajudar à longevidade do motor.
Disponíveis exclusivamente como coupé de 3 portas, as dimensões do Mégane RS não se alteram substancialmente, apesar de algumas subtis alterações de carácter aerodinâmico e de umas cavas para jantes de 18 ou 19 polegadas, ambas decisivas para os pouco mais de 6 segundos que precisa para chegar aos 100 km/h. A mala mantém 377 litros de capacidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar neste site

Pesquisar no Blog  

Quem somos...

"COCKPIT automóvel" é um meio de comunicação dirigido ao grande público, que tem como actividade principal a realização de ensaios a veículos de diferentes marcas e a divulgação de notícias sobre novos modelos ou versões. Continuamente actualizado e sem rigidez periódica, aborda temática relacionada com o automóvel ou com as novas tecnologias, numa linguagem simples, informativa e incutida de espírito de rigor e isenção.
"COCKPIT automóvel" é fonte noticiosa para variadas publicações em papel ou em formato digital. Contudo, a utilização, total ou parcial, dos textos e das imagens que aqui se encontram está condicionada a autorização escrita e todos os direitos do seu uso estão reservados ao editor de "Cockpit Automóvel, conteúdos automóveis". A formalização do pedido de cedência de conteúdo deve ser efectuado através do email cockpit@cockpitautomovel.com ou através do formulário existente na página de contactos. Salvo casos devidamente autorizados, é sempre obrigatória a indicação da autoria e fonte das notícias com a assinatura "Rogério Lopes/cockpitautomovel.com". (VER +)